Chaves | Feira dos Santos

Índice do Artigo

Partilha >>>

A Feira dos Santos de Chaves decorre anualmente nos dias 30 e 31 de Outubro e 1 de Novembro. Festa tradicional de tempos remotos, ela, muito para além do visível sem fim de barracas e feirantes, é uma mostra do espírito prazenteiro e, principalmente, da luxuria carnal dos flavienses. Noutras épocas ela serviria um propósito óbvio, o de fornecer as gentes da cidade de tudo o que uma feira pode oferecer a preços que só a venda em massa permite. Algo obviamente necessário no tempo em que o dinheiro submetia os portugueses a uma espécie de estoicismo salazarento. A feira atraía muita gente, não só portuguesa como também galega, que vinha cá pela feira e por aqui ficava pela festa. Havia cinema e música, montras e rifas daquelas em que sai sempre prémio, jogava-se aos matraquilhos e fazia-se batota às cartas, comia-se e bebia-se, passeava-se de café em café sem tempo ou vontade de dormir. Muitos dos visitantes dormiam pela rua, debaixo dos seus próprios casacos, aquecidos apenas pelo vinho e pelo próprio espírito. Muito celebra o povo os seus Santos.

 

A efeméride remonta ao tempo dos Celtas, que comemoravam o ano novo no dia 1 de Novembro. O facto de este dia ser, nos nossos tempos, o dia de Todos os Santos é uma espécie de anedota anedónica, muito semelhante à do Natal a 25 de Dezembro. A tentativa de santificação das festividades pagãs passava, nessa remota época, por simplesmente lhes sobrepor festividades Cristãs e deixar o tempo e a confusão tratar do resto. Assim, desde o início, o dia de Todos os Santos foi uma espécie de expropriação Papal da mitologia politeísta e das celebrações pagãs. Não descurando que, em si, os Santos são a versão monoteísta do politeísmo. A primeira Celebração remonta a 13 de Maio de 610 d.C. quando o Papa Bonifácio IV dedicou o Panteão de Roma (originalmente concebido em adoração aos deuses romanos) a Maria e a todos os Santos mártires da Igreja. A segunda expropriação cultural foi quando o Papa Gregório III mudou a data para o 1º de Novembro, sobrepondo-a ao Samhain (ano novo Celta). E assim se chegou ao dia dedicado a Todos os Santos, mártires da Igreja, que se celebra com uma noite insone, cheia de música, comida, vinho e folia. Ou pelo menos assim dela se recordam as gentes de Chaves. Mas os Santos perdoam-nos, afinal dedicamos-lhes uma feira.

 

Com o passar dos anos a democracia fez os seus milagres. A feira já não é um sítio de oportunidade e de compra. As pessoas já não dormem ao relento, nem entram na santa celebração com tanta vontade de que o amanhã não chegue. Agora existe a vontade do consumo ocasional que o hedonismo tanto gosta. As pessoas compram com pouca vontade de regatear e com pouca necessidade de o fazer. Existe mesmo, por vezes, um pequeno prazer mórbido em pagar algo mais do que o necessário. A alegria de pobre é difícil de entender. Os amigos ainda jogam aos matraquilhos, bebem e comem e passeiam toda a noite, mas exatamente com o mesmo espírito de todo o resto do ano. O conforto elimina a grandeza dos eventos. Esta é mesmo a grande invenção do século XXI, não se fazem revoluções com gente confortável.

 

Mas falemos dos Santos e da feira.

Existem, na feira, uma miríade de produtos: os úteis, os aparentemente úteis mas facilmente extraviáveis, os aparentemente úteis na realidade inúteis, os inúteis aparentemente inúteis, os aparentemente inúteis que talvez possam ter utilidade e muitos chouriços. Classificando-os de outra maneira existem: os regionais, os não regionais de marca falsificada, os não regionais de marca possivelmente roubada e muitos vinhos.

 

 

Além dos produtos, e já que estamos num país de serviços, a feira dispõe também de vários fornecedores de entretenimento. De entre os mais prestigiados contam-se: flautistas de pan (e as suas belas covers de Céline Dion), gado variado em competição (e os seus pastores), bandos itinerantes de acordeonistas (e os seus acordeões), cabeçudos e gigantones (e os seus respectivos e transpirados humanos), conjuntos musicais de rua (e as suas coreografias), diversões (e a sua bonomia em serem as montanhas russas dos pobres), homens que falam galego (e as suas boinas), farturas e castanhas (e os seus vendedores mais ou menos sujos de sebo e fuligem) e a gente (e as suas multitudes).

 

 

 

 

 

 

 

Venham! Venham à feira e sintam-na como eu a senti na minha infância, no meio da imensa e feliz gente. Com o prazer de receber os Santos, de comer farturas, de provar o polvo, de ganhar prémios inúteis nas rifas, de ouvir a música popular e impopular, de jogar às pistolas e de voltar para casa com um jornal enrolado à volta de castanhas. Se não conhecerem trás-os-montes fiquem a saber, nós gostamos das nossas montanhas e do nosso nevoeiro, mas o nosso património são as nossas gentes. Os meus avós este ano deram-me os Santos… e que feliz que eu fiquei… e que felizes que eles ficaram.

 

 

 

 

 

 

 

*

CHAVES | Informações úteis

  • Onde dormir?

Opção luxo: Vidago Palace. Um dos hotéis mais luxuoso do nosso país, foi eleito o melhor hotel da península Ibérica e combina o estilo Belle Époque com o luxo moderno. Possui campos de golfe, de ténis, mini golfe, piscina entre outras actividades de lazer. Os jardins com 40 hectares, do Parque de Vidago rodeiam o edifício. Uma noite neste Palace custa no mínimo 257€/noite.

Mais informações e reservas: Vidago Palace

Opção conforto: Hotel Casino Chaves. O hotel fica ligeiramente afastado do centro, mas oferece uma vista incomparável sobre a cidade. Os quartos são espaçosos, possuem uma pequena varanda, TV, ar condicionado e uma grande casa de banho privada com banheira. O preço é de 77€/noite com pequeno almoço incluído.

Mais informações e reservas: Hotel Casino Chaves

Opção económica: Quarto Marrocos. Este lindo apartamento, localizado a apenas 300m do castelo e 400m das termas de Chaves, é o local ideal para passar umas férias em família ou entre amigos. O apartamento está muito bem equipado e é constituído por 2 quartos com cama de casal, uma casa de banho, uma cozinha e um salão. É possível tomar o pequeno almoço no apartamento. O preço é de 22,50€/noite pelo quarto mais pequeno e 25€/noite pelo quarto maior.

Mais informações e reservas: Quarto Marrocos

  • Onde comer?

Para um bom prato caseiro: O Manco

Para um bom prato transmontano: Aprígio

Para um bom ambiente: Pensão Flávia

Para um bom bacalhau com uma vista deslumbrante: Restaurante Miradouro

Para um bom marisco (não é gozo, há mesmo bom marisco em Chaves!): O Príncipe

Para um bom prego no pão: O Calhambeque

Para experimentar o melhor presunto da região: Zeca Moura – Casa do presunto 

 

*

destinos vividos

Olá !

Somos a Marina e o Axel, um casal ¾ português e ¼ francês, que viaja sempre que pode. Com este blogue queremos mostrar-te a nossa maneira de viajar, totalmente personalizada e totalmente livre, longe dos aborrecidos roteiros pré-feitos que abarrotam de turistas.

Queremos ajudar-te a viajar mais e melhor e, como nós, ser feliz a Viver cada Destino.

Últimos Artigos

Seguro de Viagem

Os Seguros Iati são seguros de viagem com excelentes coberturas, com atendimento em português e sem franquias!  Falamos por experiência própria. Já tivemos de accionar o nosso seguro e foram mesmo impecáveis. 

Por confiarmos neles, decidimos criar uma parceria. Os nossos leitores têm assim direito a 5% de desconto na compra de qualquer seguro IATI.

Reservar Hotel

Reserva o teu alojamento com antecedência para usufruir das melhores ofertas. Muitos hotéis têm cancelamento gratuito no Booking, a plataforma que usamos sempre nas nossas viagens.



Booking.com

Alugar carro

Durante as nossas viagens adoramos alugar carro para ter liberdade total. A Discover Cars é para nós o melhor comparador de alugueres de carro com a possibilidade de obter Cobertura Total.

Newsletter

Junta-te a nós e recebe as novidades em primeira mão ! Irás receber no máximo um email por mês com as últimas novidades.

Instagram

Partilhamos as nossas viagens em direto no Instagram. Acompanha as nossas aventuras por lá.

Melhor Mochila

Vê aqui como escolher a melhor mochila para viajar e poupar dinheiro com a bagagem!

This Post Has 3 Comments

  1. João MAdureira

    Parabéns Axel, a publicação é do melhor. Apenas um flaviense de gema a podia ter escrito.

  2. Flaminia Ramos

    Gostei muito da crônica sobre a feira dos Santos e das fotografias. Parabéns! !👍👍

  3. Isabel Oliveira

    Ola só o que venho encontrar, memórias que não são minhas, mas ainda assim memórias. Como é bom viajar!

Deixe uma resposta