Visitar Dubrovnik | Guia e dicas de viagem

Visitar Dubrovnik | Guia e dicas de viagem

Visitar Dubrovnik foi, para nós, uma agradável surpresa. O que era para ser apenas um porto de chegada e de partida, revelou-se ser uma bela descoberta entre mar e montanhas. Uma cidade que combina na perfeição belos monumentos, uma boa gastronomia, praias paradisíacas e uma meteorologia propícia ao banho de Maio a Outubro. Quem é que não se apaixona por estas ruelas de mármore rodeadas por edifícios barrocos e o brilho do mar Adriático em fundo de tela?

 Para ler o nosso artigo mais completo sobre esta viagem é por aqui: Roadtrip de uma semana pelo Balcãs

HISTÓRIA DE DUBROVNIK

O encanto e a beleza de Dubrovnik reside também na sua longa e fascinante história. Durante os seus muitos séculos de existência, Dubrovnik estabeleceu-se como uma cidade independente, poderosa e influente. A sua localização privilegiada na intersecção das principais rotas marítimas e comerciais, bem como o seu porto seguro (graças à protecção conferida pelas ilhas em frente) permitiu o desenvolvimento de um importante comércio marítimo.

A sua história é marcada por invasões bárbaras e por rivais poderosos. Acredita-se que Dubrovnik foi fundada no século VII, quando tribos croatas invadiram a área para se esconder dos bárbaros, construindo uma muralha. Dubrovnik estabeleceu-se rapidamente como uma cidade comercial e apesar das circunstâncias históricas turbulentas, lutou para preservar a sua autonomia comercial.

O verdadeiro período de prosperidade de Dubrovnik começou com a fundação da República de Ragusa (ou República de Dubrovnik) no século XV. Era uma república aristocrática independente, com autoridade própria, moeda própria e uma bandeira com a efígie de São Blaise, o santo padroeiro da cidade.

A República de Ragusa foi o primeiro país europeu a abolir a escravidão!

O período de prosperidade atingiu o seu apogeu no século XVI graças ao desenvolvimento do comércio marítimo, fazendo de Dubrovnik um dos portos comerciais mais famosos do mundo. A segurança e o desenvolvimento financeiro deu origem a realizações artísticas magníficas nas áreas de arquitetura, urbanismo, poesia, literatura e ciência. Alguns dos artistas e cientistas croatas mais notáveis da Europa viveram em Dubrovnik nessa altura, deixando uma marca indelével, como Marin Držić, Ivan Gundulić e Ruđer Bošković. Os edifícios mais famosos deste período são a Igreja de St. Blaise, a Catedral de Dubrovnik e o Palácio do Reitor.

PARA SE LOCALIZAREM:

Como chegar?

Existem diversas opções, mas infelizmente ainda não existe nenhum voo directo entre Portugal e Dubrovnik. Existe sim um voo directo de Lisboa para Zagreb, a capital croata. O voo mais barato que encontramos para Dubrovnik foi o voo operado pela Norwegian Airlines com um voo directo Barcelona-Dubrovnik a partir de 80€ ida e volta (também tem voos directos para Zagreb pelo mesmo preço). Quando compramos estavam a 90€ ida e volta e compramos depois os voos Porto-Barcelona pela TAP por 98€ ida e volta.

Também podem comprar voos directos Lisboa-Zagreb pela Croatia Airlines e chegar a Dubrovnik de carro. Façam simulações para saber os preços do aluguer de carro em cada um dos aeroportos, não se esqueçam que a grande maioria das agências de aluguer cobram uma taxa se deixarem o carro num aeroporto diferente. 

Onde Dormir?

Antes de escolherem o vosso hotel devem ter 2 coisas em consideração. Primeiro, o centro histórico de Dubrovnik, chamado “Old Town” encontra-se rodeado por muralhas, sendo uma zona apenas acessível a pé. Os hotéis que ficam ali perto das muralhas são bastante caros, os mais económicos ficam na parte alta de Dubrovnik sendo necessário descer várias escadas para chegar ao centro histórico. Segundo, o estacionamento em Dubrovnik pode ser uma verdadeira dor de cabeça, as ruelas são estreitas, existem muitos poucos lugares para estacionar e são quase todos bastante caros. Portanto, ter um hotel com estacionamento é sem dúvida uma mais valia. 

Quanto a nós, encontramos a nossa alegria na Guest House Anica que fica na parte alta de Dubrovnik, a 10 min a pé do centro histórico (5 min de autocarro). Tem parque de estacionamento gratuito, um pequeno jardim com mesas e uma cozinha à disposição para preparar refeições. O nosso quarto estava equipado com ar condicionado, televisão e Wi-Fi. A casa de banho era partilhada com apenas mais um casal. A anfitriã foi super simpática, deu-nos a morada exacta do parking uns dias antes da viagem, e quando chegamos foi ter connosco ao parking que fica a 2 min a pé do alojamento. É possível pagar em euros ou kunas. Há um supermercado PEMO a 5 min a pé em direcção à Old Town. 37,80€/noite o quarto duplo. 

Para mais informações e reservas: Guest House Anica

 

Também podem ver aqui as melhores ofertas de hotéis em Dubrovnik:



Booking.com

 

Onde e o que Comer?

Dubrovnik não é uma cidade barata, mas poderão encontrar alguns restaurantes mais em conta nas ruelas menos frequentadas. Se quiserem poupar, também podem optar por comprar snacks nos supermercados e pastelarias, vendem por exemplo fatias de pizza por 20 kunas (~3€). 

DICA: podem encher garrafas com água potável em várias fontes espalhadas pela cidade, uma delas é bem conhecida, a grande fonte que fica na praça principal da Old Town.

No sul da Dalmácia irão encontrar principalmente pratos confeccionados à base de marisco, peixe fresco grelhado, carne grelhada, uma grande variedade de legumes e saladas generosas. Tudo temperado com poucos condimentos e muito azeite. Algumas das especialidades a não perder: salada de polvo e o risotto de marisco preto. Para os gulosos: Rozata de Dubrovnik (parecido ao nosso leite creme).

Alguns restaurantes que recomendamos:

  • Trattoria Capriccio, comida italiana deliciosa na Old Town. Preço médio para 2 pessoas: 45-50€
  • Tavulin Wine & Art Bar, para umas boas tapas
  • Oyster & Sushi Bar Bota, dizem ser o melhor sushi de Dubrovnik. Não tivemos tempo para comprovar, mas fica no centro da Old Town e quando passamos em frente estavam todas as mesas reservadas.

O que visitar em Dubrovnik?

  • As muralhas da cidade. Demoramos 2h a dar a volta, mas paramos a meio num bar com uma vista incrível sobre o mar adriático. Existem duas entradas, uma junto à porta “Pile” (a este) e outra junto à porta “Ploce” (a oeste). A menos frequentada é a entrada da porta Ploce. Entrada: 150 kunas. (~21€)
  • A Old Town onde poderão apreciar alguns monumentos e lugares de interesse como o mosteiro franciscano, o Palácio Sponza, a rua Prijeko, War Photo Museum…
  • Um passeio de kayak. Existem várias empresas em Dubrovnik que propõem aluguer livre de kayak e passeios com guia. Contar no mínimo 25€/pessoa.
  • Ver o pôr do sol no parque Orsula
  • Subir ao miradouro do monte Srd. Antigamente era possível aceder de carro a esse miradouro, agora só é possível ir a pé (sendo a caminhada uma tortura se estiver calor) ou então pagar o teleférico 150 kunas ida e volta, 85 kunas só ida (são espertos os croatas…)
  • Ilha Lokrum, dá para ir de barco até lá e passar uma tarde ou uma manhã (ou até mesmo o dia inteiro) a explorar a pequena ilha. Também dá para ir de kayak e dar a volta à ilha.
  • Miradouro da estrada Jadranska Cesta. Ao sair de Dubrovnik em direcção ao Montenegro paramos nesse miradouro para tomar o nosso pequeno almoço improvisado. E que belo improviso!
  • Praia de Banje.
  • Praia de Sveti Jakov

MAPA DA OLD TOWN

(Podem ampliar clicando na imagem)

Podem pedir este mapa gratuitamente no balcão de informação do aeroporto

Já conheceram Dubrovnik? O que acharam desta cidade?

 


Todos os nossos artigos sobre os Balcãs:

Roadtrip de 1 semana pelos Balcãs | Roteiro, dicas e gastos

Croácia| Visitar Dubrovnik

 Montenegro| Lago Skadar

 Montenegro | Parque Durmitor

 

Gostaram da nossa viagem? Gostariam de ter a mesma experiência de forma económica, mas não sabem como organizar a viagem ou não têm tempo para isso? Podemos criar juntos a vossa viagem de sonho com os nossos Roteiros Personalizados.

Filha e neta de imigrantes, as malas seguem-me desde a minha infância. O meu sonho, conhecer cada recanto do nosso maravilhoso mundo, faz com que esteja constantemente a pensar na próxima viagem. Natural de França, vivo actualmente no Porto, onde sou médica nas horas de trabalho e viajante nos meus tempos livres.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *