Visitar a aldeia mágica de Drave

Visitar a aldeia mágica de Drave

A aldeia de Drave, da Serra da Freita, é um dos vários percursos do Geoparque de Arouca denominado a “Aldeia mágica” (PR14). E quem passa por lá entende perfeitamente esta designação. Uma aldeia isolada de tudo e todos, no meio de um vale por onde passa um rio formando cascatas e pequenas lagoas propícias ao banho. 

A primeira etapa, que já por si é uma aventura, consiste em chegar de carro à aldeia mais próxima, Regoufe, que fica a 4km de Drave. Quase 1h a percorrer uma estrada de montanha, curva contra curva, e a cada curva uma vista desafogada sobre paisagens deslumbrantes. É isso que vos espera na estrada sinuosa que vos leva até esta aldeia parada no tempo, penso que serão poucas as que assim sobrevivem no nosso país. 

Aldeia de Regoufe

Podem deixar o carro à entrada da aldeia (junto a um restaurante com um largo) e descem depois a pé até à aldeia. Existe um café, subindo à direita, onde podem comprar água fresca e petiscos antes de iniciar a caminhada.  O trilho começa junto à ponte que atravessa o pequeno rio, depois basta seguir o caminho de pedregulhos que sobe sempre pela direita. Esta é a parte “mais difícil” principalmente se forem num dia quente, porque não tem sombras, mas a subida em si não é assim tão acentuada, havia crianças bem pequenas a fazer o trilho. 

Demoramos cerca de 1h para chegar à aldeia de Drave (com muitas paragens para admirar a paisagem). Drave é uma pequena aldeia com casinhas de pedra lousinha com cobertura de xisto. Duas estruturas destacam-se das outras pelo seu revestimento em cal, a capela da nossa senhora da Saúde e o solar de Drave, casa de dois pisos com balcão, a mais fotogénica da aldeia.

Mas será que alguém viveu mesmo aqui??

Existem registos de ter vivido em Drave a família Martins desde 1700, a família mais numerosa da aldeia, tendo sido um dos descendentes, o Sr. Joaquim Martins, a última pessoa a abandonar a aldeia em 2000! O padre João Nepomuceno de Almeida Martins tomou a iniciativa, em 1946, de realizar a primeira reunião familiar que juntou mais de 500 parentes! Existe uma placa na aldeia de Drave que testemunha esse encontro.  

Algumas dicas:

  • deixem o carro no largo junto ao restaurante antes de descer para a aldeia de Regoufe
  • levem sapatilhas/ténis confortáveis (nada de havaianas!)
  • levem água e alguns petiscos
  • se forem no verão, podem levar pique-nique e passar um dia junto às lagoas e cascatas
  • tenham sempre um casaco no saco, apesar de termos ido num dia quente estava bastante vento em vários trechos do caminho

Já conheciam este trilho? Partilhem connosco os vossos trilhos pedestres favoritos, queremos descobrir mais lugares como estes! 

Filha e neta de imigrantes, as malas seguem-me desde a minha infância. O meu sonho, conhecer cada recanto do nosso maravilhoso mundo, faz com que esteja constantemente a pensar na próxima viagem. Natural de França, vivo actualmente no Porto, onde sou médica nas horas de trabalho e viajante nos meus tempos livres.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *