Lombok | Roteiro, gastos e dicas de viagem

Lombok | Roteiro, gastos e dicas de viagem

Lombok, uma pérola da Indonésia (ainda) pouco conhecida. A nossa viagem de 2 semanas pela Indonésia ficou repartida da seguinte forma: 5 dias em Bali, 5 dias em Lombok e 4 dias nas ilhas Gilis (Gili Trawagan e Gili Meno). Para mais informações sobre a primeira parte da viagem cliquem aqui ao lado –> Bali – A ilha dos Deuses

Tetebatu – Lombok

Lombok ainda é pouco visitada quando comparada com a sua vizinha Bali, mas tudo indica que não será por muito tempo. As magníficas praias desertas do sul de Lombok atraem cada vez mais turistas que procuram sossego ou que procuram a fantástica vida submarina que ainda habita nas águas límpidas das ilhas Gilis das costas este e oeste.

Prontos para uma viagem deslumbrante, fora dos roteiros turísticos?

O NOSSO ITINERÁRIO EM LOMBOK:

(Carreguem na imagem para ver todos os locais, hotéis e restaurantes que recomendamos)

 

Dia 7 | Kuta, um misto de emoções

Depois da beleza e serenidade de Bali, chegar a Kuta Lombok foi um choque. Aqui não há templos nem decorações, mas sim casas destruídas e lixo. Aqui não há olhares sorridentes nem palavras meigas, mas sim olhares sérios e intrigados. Isto foi o que sentimos ao andar pelas ruas da cidade, mas rapidamente encontramos a beleza de Lombok: praias desertas com águas límpidas e areia branca. Kuta em si não é linda, mas daqui a 10 anos estará irreconhecível. Obras e mais obras, um Marriot, um Club Med e um Hilton, este é o futuro de Lombok. 

 KUTA LOMBOK – Onde dormir?

  • Lara Home Stay, pequeno hotel no centro de Kuta, o prédio em si é velho, mas a Lara é espectacular e os quartos são espaçosos e limpos. Foi aqui que comemos a melhor panqueca da nossa viagem. 270 000 rupias/noite (18€). Para mais informações e reservas é por –> aqui <–

 KUTA LOMBOK – Onde comer?

  • El Bazar Cafe. Tudo muito saboroso, adoramos o acolhimento e o ambiente. Convém reservar ou ir bem cedo para jantar. 
  • Turtle warung. Localizado na praia de Tanjung Aan é o spot ideal para passar uma tarde relaxada. Os pratos são, na grande maioria, especialidades locais e os preços são bastante razoáveis.

 KUTA LOMBOK – O que visitar/fazer?

  • Praia de Kuta, vale a pena andar a pé pela praia para se afastar do centro e encontrar lugares sossegados com água cristalina. O único defeito são os cães que seguem os turistas à espera de comida. Um cão vadio seguiu-nos a manhã inteira, tentamos entrar num supermercado para ele seguir outras pessoas, mas ele ficou à nossa espera. Acabou por se tornar incomodativo porque não podíamos ir mergulhar os dois ao mesmo tempo com medo que o cão tentasse roubar o saco que continha comida.
  • Praia de Tanjung Aan, a praia mais bonita que vimos até hoje. Fica a 10 min de carro de Kuta.
  • Bukit Merese. Ao fim da tarde, turistas e locais deslocam-se até este monte para admirar um espectacular pôr do sol sobre a baía. 
  • Excursões de barco a outras praias da costa ou a pequenas ilhas perto da costa.

Tanjung Aan
Bukit Merese

Dia 8 | Duas pérolas do sul de Lombok

Duas praias incontornáveis do sul de Lombok: Mawum e Selong Blanak. A primeira é pouco frequentada e proporciona uma baía de água cristalina paradisíaca.

Mawum

A segunda é mais frequentada, mas oferece uma paisagem deslumbrante. Selong Blanak tornou-se num spot muito concorrido para os amantes de surf. Ambas merecem um desvio.

Selong Blanak

Dia 9 | Sekotong e o seu nascer do sol

Sekotong é uma pequena cidade de pescadores junto a uma baía repleta de pequenas ilhas chamadas Gilis, um dos melhores spot de snorkeling em Lombok. O melhor spot de snorkeling foi em Gili Nanggu.  

 

Sekotong ofereceu-nos um inesquecível pôr do sol. Para além das cores do céu o que mais adoramos foi observar as mulheres com as suas crianças, de lanterna na mão, a apanhar conchas e peixes pela noite fora. 

Nascer do sol em Sekotong com o Rinjani em pano de fundo

 SEKOTONG – Onde dormir?

  • Krisna Bungalows, hotel muito sossegado junto à baía de Sekotong, sendo possível ver as ilhas Gilis em frente. Organizam excursões de barco às principais Gilis por 150 000 rupias.  Quartos espaçosos com varanda e pequeno almoço incluído por 300 000 rupias/noite (20€). O único defeito são as casas de banho rudimentares sem água quente. Para mais informações e para fazer reservas é por –> aqui <–

 SEKOTONG – O que visitar/fazer?

  • Excursões de barco a Gili Gede, Gili Nanggu, Gili Layar, Gili Asahan entre outras Gilis. 150 000 rupias (10€) por pessoa para um dia inteiro.
Nascer do sol em Sekotong

Dia 10 | Tetebatu, no meio das nuvens

Em Tetebatu encontrarão campos de arroz com o monte Rinjani em pano de fundo. Sendo o centro da ilha, o tempo aqui é mais instável pela proximidade das montanhas. Foi o único sítio onde apanhamos chuva logo ao acordar, felizmente a chuva parou mesmo a tempo de fazermos a caminhada, mas não conseguimos ver o monte Rinjani. O local é muito sossegado, poucos turistas passam por aqui.

Tetebatu

 TETEBATU – Onde dormir?

  • Pondok Indah Bungalows, bungalows com vista sobre os campos de arroz e o monte Rinjani com pequeno almoço incluído por 300 000 rupias a noite (20€). O dono é muito generoso, ofereceu-nos uma massagem e fez-nos provar os cozinhados da mãe dele. Para mais informações e reservas é por –> aqui <–

 TETEBATU – O que visitar/fazer?

  • Caminhada pelos campos de arroz, fomos com um dos empregados do hotel, é praticamente impossível fazer esta caminhada sem guia, passamos literalmente pelo meio das plantações, onde não havia sinalização nem caminho. As paisagens são espectaculares, principalmente se tiverem a sorte de ter um céu azul para ter uma vista privilegiada sobre o monte Rinjani (infelizmente não tivemos essa sorte). Durante a caminhada passam ainda por uma cascata onde podem ir a banhos e por uma das muitas florestas de macacos que por lá existem, tem a duração de ~3/4h por 150 000 rupias (10€) por pessoa.
Cascata em Tetebatu

Dia 11 | Rinjani, quando as coisas correm mal

Nem tudo numa viagem corre como queremos. Este dia foi o exemplo disso. O que importa é saber continuar a Viver o Destino e aproveitar cada momento, porque tudo numa viagem é uma experiência.
A primeira vez que li relatos sobre a Indonésia, deparei-me com a beleza do monte Rinjani, um vulcão com cerca de  3 000m de altitude, com a sua cratera aberta onde se pode admirar um outro pico no meio do seu majestoso lago. Uma paisagem única, o melhor e mais famoso trek da Indonésia. Era óbvio que tínhamos de o fazer.

Cratera do vulcão Rinjani (fonte: nyhavn.dk)

Esse trek pode ser feito em 2, 3, 4 ou 5 dias. Optamos por fazê-lo em 3 dias. Um dia a subir passando a noite no topo da cratera, um dia no lago e um dia para descer.
O acampamento para a primeira noite fica a 2 500m de altitude, são entre 6 a 8h para subir, sendo que as 2 últimas horas se fazem quase a escalar.

Monte Rinjani

Começamos o dia com um céu completamente azul, uma companheira de viagem canadiana com muitas histórias para contar e um guia muito simpático, mas pouco confiante e talvez até demasiado novo. Uma avaria no carro que nos levava ao início da caminhada atrasou-nos. A primeira parte é relativamente fácil, cansativa, mas fazível. Enquanto subíamos, ficamos progressivamente rodeados por nuvens. Chegamos então ao local onde iríamos fazer um intervalo de 2h para almoçar. Estávamos dentro das nuvens, um nevoeiro serrado que nem deixava ver a própria montanha. Enquanto aí descansávamos, começou uma longa chuva torrencial. O tempo passava e a chuva continuava. Fazendo os cálculos era simples perceber que iríamos fazer as últimas 2h, as mais perigosas, de noite, num terreno escorregadio.

Monte Rinjani

Não foi fácil tomar esta decisão, mas há coisas mais importantes na vida e, pela nossa segurança, decidimos voltar para trás. A agência forneceu-nos um táxi e um barco privado (depois de muita insistência minha) e acabamos por ir directamente para uma das 3 ilhas paradisíacas de Lombok, Gili Trawagan.

Dia 12 e 13 | Gili Trawagan, quando tudo acaba bem

Das 3 ilhas Gilis, Trawagan é conhecida por ser a mais turística e a mais festiva, sendo o ponto de encontro dos mochileiros. Não tínhamos planeado conhecer esta ilha, mas Gili Trawagan revelou-se ser uma agradável surpresa.

Gili Trawagan

Apesar da confusão da parte turística da ilha, conseguimos encontrar praias mais sossegadas. Alugamos bicicletas e demos a volta a este pequeno paraíso. Além da água quente e cristalina, foi aqui que vimos o melhor pôr do sol da viagem.

 GILI TRAWAGAN – Onde dormir?

  • Tiga Dara 1, pequeno hotel muito simples, casa de banho rudimentar, sem água quente. Pequeno almoço básico incluído por 300 000 rupias/noite (20€). Não recomendamos nem deixamos de recomendar, a localização é boa, os donos são muito simpáticos e o aluguer de bicicletas não é caro. É bom para 1 ou 2 noites no máximo, a falta de ar condicionado e de água quente torna-se rapidamente incomodativa. Para mais informações e para fazer reservas é por –> aqui <–

 GILI TRAWAGAN – Onde comer?

  • Regina. O melhor restaurante italiano da ilha e por isso o mais procurado. Convém ir antes das 20h para conseguir comer uma pizza. Também servem massas e carnes grelhados. Contar com 15€ por pessoa.
  • Le Petit Gili. Para comer deliciosas hambúrgueres junto à praia a um preço razoável.
  • Sama Sama bar. Para beber um copo com música ambiente junto à praia.
  • Pituq Café. Para saborear os pratos típicos da Indonésia.

 GILI TRAWAGAN – O que visitar/fazer?

  • Dar a volta à ilha de bicicleta. 50 000 rupias/dia.
  • Admirar o pôr do sol no bar The Exile
  • Excursão às outras ilhas para fazer snorkeling e nadar com tartarugas. Não fizemos a excursão porque encontramos tartarugas junto à praia. Os preços são quase sempre cerca de 150 000 rupias para 3h de excursão.
Gili Trawagan – The Exile

Dia 14 e 15 | Gili Meno, onde o paraíso existe

Conhecida como sendo a Honeymoon island, Gili Meno é muito mais sossegada que as suas vizinhas Gili Trawagan e Gili Air. É a mais pequena das 3, e a mais procurada por casais. A praia mais linda da ilha é a praia que se encontra frente ao hotel Gazebo e ao restaurante Mallias. Tivemos pena de não ficar mais tempo para aproveitar este pequeno paraíso.

Gili Meno – Praia do hotel Gazebo Meno

 GILI MENO – Onde dormir?

  • Gazebo Meno, tivemos direito a um enorme bungalow com sala de estar, quarto espaçoso com televisão, ar condicionado e uma grande casa de banho com água quente. O pequeno almoço é delicioso, só é pena o restaurante não se encontrar junto ao mar. O hotel ainda possui uma piscina, mas com uma localização tão privilegiada como esta, na praia mais bonita da ilha, quem é que consegue ficar numa piscina? 950 000 rupias/noite (65€). Para mais informações e para realizar reservas é por –> aqui <–

 GILI MENO – Onde comer?

  • Restaurante Mallias. Para nós o melhor restaurante da ilha, convém vir antes do almoço para conseguir ter lugar em frente da praia e ficar assim a tarde toda a relaxar frente à melhor paisagem da ilha. Não percam o sumo natural de manga, o melhor sumo natural que bebemos até hoje.
  • Adeng Adeng. Excelente restaurante localizado na praia do lado poente da ilha, sendo o ÚNICO restaurante onde conseguimos finalmente beber um verdadeiro e delicioso cocktail com fruta natural.
  • Karma Beach. Este restaurante conquistou-nos logo no primeiro dia pela sua localização privilegiada frente ao mar. Adoramos o tartare e o polvo fresco. Contar com 20-25€ por pessoa.
  • Pojok No Five Star. Localizado no centro da ilha, este pequeno restaurante com comida local foi-nos bastante recomendado, mas não tivemos oportunidade de experimentar.

 GILI MENO – O que visitar/fazer?

  • Relaxar
  • Excursão às outras ilhas para fazer snorkeling. 150 000 rupias por pessoa para 3h.
Gili Meno – Adeng Adeng Restaurant

Dia 16 | O regresso

Depois de duas semanas repletas de aventuras e descobertas era tempo de voltar à vida real. Optamos pelo método mais rápido para voltar a Bali, o barco. A melhor companhia e a mais cara é a Gili Getaway, que faz o trajecto entre Gili Trawagan e Padang Bai em 2h30. Podem comprar o bilhete no site oficial ou em uma das diversas lojas presentes em qualquer uma das ilhas Gilis. Dizem que as empresas são todas as mesmas, a verdade é que optamos por uma mais barata, a Semaya one, e além de se atrasar quase 1h, demorou 4h a chegar a Padang Bai!

Gili Meno

Ao chegar a Padang Bai existem duas opções para se dirigir até o aeroporto, o autocarro ou o táxi. Mais uma vez optamos pela opção mais rápida e, depois de muita negociação, conseguimos um táxi por 300 000 rupias. Devido ao trânsito demoramos 2h30 até o aeroporto.

INDONÉSIA | Gastos totais

Queremos agradecer todas as vossas mensagens e comentários que recebemos ao longo desta viagem. Muitos descreveram a nossa viagem como sendo uma viagem de sonho e muitos pensam que este tipo de viagem é caríssima. Queremos por isso partilhar com vocês os nossos gastos totais para uma viagem de 2 semanas entre Bali, Lombok e ilhas Gilis

  • Hotéis:

Como viram, ficamos em hotéis relativamente bons com piscina e pequeno almoço incluído, mas nada de extravagante. Para 14 noites gastamos no total 318€ para 2 pessoas. Média de 22€/noite, mas é perfeitamente possível gastar apenas 10-15€/noite.

  • Transportes:

Também poderíamos ter poupado mais nesta parte, mas achamos a condução na Indonésia bastante perigosa. Vimos muitos turistas aleijados devido a acidentes de mota, apanhamos vários sustos e agora temos a certeza que contratar um táxi com guia foi a melhor opção para uma viagem relaxante e mais rica em experiências e conhecimentos. Para 4 dias no Bali e 2 dias em Lombok com táxi/guia (~40€/dia), mais os trajectos entre ilhas (avião+barco) e outros trajectos que fizemos de táxi gastamos no total 440€ para dois.

  • Actividades:

Aqui incluímos todos as entradas dos diferentes templos que visitamos, bem como o acesso a algumas praias “privadas”. Gastamos no total: 100€ para os dois.

  • Comida:

As refeições são muito baratas na Indonésia, consegue-se comer por apenas 2€ uma refeição com prato e bebida num warung. Onde gastamos mais dinheiro a comer foi em Gili Meno e Gili Trawagan. Durante a viagem comemos sempre em restaurantes e warungs. Em 15 dias gastamos 343€ para dois.

  • Extras:

Aqui incluímos 2 massagens e compras que fomos fazendo, bem como o cartão SIM que compramos logo no primeiro dia com 6GB de internet (5€). No total foram 68€.

  • Voos Lisboa-Bali

Compramos os voos com 4 meses de antecedência, pesquisamos primeiro no site momondo para encontrar o voo mais barato e depois compramos directamente no site da British Airways. Fizemos escala de 5-6h em Londres e um escala de 2-3h no Qatar. A maioria dos voos foram efectuados pela Qatar Airways, até hoje a melhor companhia aérea em que já voamos. Ida e volta com 2 escalas: 680€ cada.

  • Seguro de Viagem:

Compramos sempre os seguros da World Nomads, pois são os mais completos. Acabamos por optar pelo seguro mais caro por causa da subida ao monte Rinjani. Pagamos um total de 153€ para os dois na World Nomads.

  • Guia de viagem (do lonely planet): 16€

O que dá no total 1400€ por pessoa com TUDO incluído.

 

Quem é que já se apaixonou pela Indonésia?

Se tiverem dúvidas não hesitem em perguntar nos comentários 😉

Filha e neta de imigrantes, as malas seguem-me desde a minha infância. O meu sonho, conhecer cada recanto do nosso maravilhoso mundo, faz com que esteja constantemente a pensar na próxima viagem. Natural de França, vivo actualmente no Porto, onde sou médica nas horas de trabalho e viajante nos meus tempos livres.

6 thoughts on “Lombok | Roteiro, gastos e dicas de viagem

  1. Marina, um belo roteiro e uma excelente descrição!
    No próximo ano, se falharmos o projeto Havaí, acho que vamos optar pela Indonésia, estamos a pensar viajar em Junho, penso que seja um dos melhores meses para viajar à Indonésia.
    Beijinhos e Abraços
    Álvaro Vieira

    1. Obrigada Álvaro.
      A ilha de Havaí deve ser muito gira, mas espero que consiga ir antes à Indonésia 😉
      A melhor altura para se visitar a Indonésia é entre Maio e Setembro.
      Beijinho

  2. Ola Marina, adorei o seu roteiro, gostaria só de mais informações sobre como se locomover de uma ilha para outra. Estou tendo dificuldades de encontrar essas informações. Se voce puder me ajudar serei muito grata.
    Obrigada!

    1. Olá!
      De Bali para Lombok fomos de avião (demora cerca de 30min e os bilhetes são baratos). Depois de Lombok para as ilhas Gilis e entre as ilhas Gilis pode se movimentar de barco. Pode ir de uma ilha à outra de barco público ou de barco privado (muito mais caro). Só pode comprar os bilhetes no próprio dia, 30 min antes da viagem, os bilhetes custam entre 35 000 a 45 000 rupias (~2 a 3 €). Depois para voltar para Bali a partir das ilhas Gilis, o melhor é ir de Fast Boat pela empresa Gili Getaway. Irei em breve escrever um artigo mais completo sobre os horários e preços dos barcos entre as ilhas Gilis, Lombok e Bali 😉
      Boa viagem!

      1. OLA MARINA!!

        ESTOU ESSES DIAS EM NUSA E EM SEGUIDA SIGO PARA GILLI.
        ESTOU PROCURANDO INFORMAÇÕES NA NET MAS ESTA DIFÍCIL, ENTÃO SERÁ QUE CONSEGUE ME AJUDAR?
        É TRANQUILO A LOCOMOÇÃO DE GILLI PARA O AEROPORTO DE LOMBOK? POIS DE LÁ QUERO PEGAR VOO PARA OUTRA CIDADE NA INDÓNESIA. ACHO ESSA OPÇÃO MELHOR DO QUE VOLTAR PARA O AEROPORTO DE BALI.

        BJS

        1. Olá Julia,

          O mais rápido é ir directamente das Gilis para Bali de barco pela Gili Getaway que te deixa na parte sul da ilha e daí é mais fácil e mais barato ir até o aeroporto. As outras companhias de barco deixam-te perto de Amed que é longe do aeroporto. Em Lombok terias de perder imenso tempo e dinheiro em transportes públicos+táxi para chegar ao aeroporto… Além disso o aeroporto de Bali tem mais ligações aéreas e mais opções em termos de horários.
          Espero ter ajudado

          Boa continuação de viagem 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *